segunda-feira, 15 de abril de 2019

Geometria




Eles caíam aos poucos, em câmara lenta, embora um observador pudesse vê-los caindo de uma vez - uma queda seguida do baque seco e finalmente corpos inertes no chão. Alguns se mexiam; outros, não. Quem caía, no entanto, experimentava um demorado suplício, e sem a aceleração própria da gravidade. Uma viagem vertical em que os pensamentos eram repassados como uma via sacra, compactando os piores momentos da vida, os maiores desatinos, a vergonha, o medo e a dor. Mas havia também um cotidiano, famílias, expedientes, contas a pagar e até o simulacro de um governo. Não estavam ali por vontade própria nem foram empurrados. Só estavam naquela situação e não havia como explicar por que caíam.

Durante a queda conseguiam manter contato com outros cadentes de longo prazo. Questionavam a razão de estarem ali e estavam certos de não tratar-se de um simbolismo sobre a existência ou algo parecido. Era um acontecimento físico e envolvia centenas, talvez milhares, de seres desinformados. Um fenômeno recente da natureza em contradição com certas leis estabelecidas. Sabiam que não estavam num precipício – era uma queda em si, feita sob medida para determinadas pessoas, como um castigo ou um destino. Os observadores, por sua vez, estavam igualmente espantados. Tanto por verem tanta gente nessa trajetória quanto por temerem que eles também pudessem desabar de uma hora para outra. O mundo, naquela época, basicamente era isso. Os que caiam e os que observavam. A instabilidade, portanto, afetava todos.

No meio da queda havia tempo e espaço para refletir sobre aquilo. Nenhuma explicação razoável, mas tentativas de encontrar uma saída – a interrupção da queda, o despertar de um pesadelo, a revelação de que tudo não passava de uma brincadeira – uma pegadinha da TV, embora muitos já estivessem acostumados à queda e procuravam levar a vida como se nada demais estivesse acontecendo. Despertavam, no entanto, quando vinham as partes mais difíceis do processo: pesadelos vívidos e realidade num só bloco, situações tão assombrosas que faziam o sonhador preferir voltar à queda regular do dia a dia.

A velocidade era igual para todos na mesma linha de queda e nesse ritmo as mesmas coisas e pessoas estavam num mesmo plano, como a banca de revista, que cai junto com a mulher que compra um jornal, sendo que mais adiante – ou mais embaixo, que seja – não existem mais jornais nem revistas.


domingo, 3 de fevereiro de 2019

Armas



Não fazer gestos bruscos porque se fizer eles disparam. Também nos instruíram a não emitir opiniões divergentes, em qualquer língua, pois se atiram a esmo, por nada, podem muito bem atirar numa pessoa capaz de contrariá-los. Portanto, não se pode falar sobre determinados assuntos e muitos preferem ficar em casa – deixam até de ir ao trabalho -, com medo das armas engatilhadas na cidade.  Apertam o gatilho por qualquer coisinha.

Portanto, levantar dados sobre o país tem sido uma tarefa complicada. O fato de ser estrangeiro ajuda, mas ser jornalista atrapalha. O rapaz com um rifle de assalto Heckler e Koch - calibre de 5,56 mm e alcance de 600 metros - foi o que pareceu mais amistoso e, após cautelosas tentativas de aproximação dispôs-se a falar, mas exclusivamente sobre armas. Nada de política, disse.

Ele não está inteiramente satisfeito com o equipamento atual. Espera um financiamento do governo para adquirir uma metralhadora MG3 - calibre de 7,62 mm, alcance efetivo de 1200 metros, 1000-1300 tiros por minuto, conforme o manual de instrução na Internet.  Seu rendimento, porém, tem sido elogiado com a Hecker e Koch. Matou 26 no mês passado, quase todos vadios e viciados, segundo ele.

No final do dia, ele e seus amigos se reúnem em um bar para comentar as ações do dia, as estatísticas, o desempenho de cada um e a chance de obter uma promoção, talvez um patrocínio. É preciso aproveitar as oportunidades.