domingo, 8 de agosto de 2010

Memórias da tuiteira: “Todo dia me atiro do térreo”

@ “Todo dia me atiro do térreo”© é o nome do meu livro de memórias. Pelo menos das partes que me lembro. Minha infância, por exemplo, estava num pen drive. Perdi. A adolescência foi passada entre quatro paredes, inventei uma. A vida adulta está meio prejudicada pela vodka, mas as passagens mais trágicas estarão mescladas com informações do Google. Roubei umas vidinhas parecidas com a minha.

@ Depois que sai do quarto, à base de Zoloft, virei garota das baladas de lojas de convivência. Ambientes de grande efervescência cultural dos anos 90, apesar do jeitão maurício de seus freqüentadores... mas, a propósito, eu estava falando mesmo sobre o que? Ah. O livro de memórias. Estou bêbada.

@ Pois bem. Depois dos 17 anos, quando não estava na loja, bebendo do lado de fora, ia pro Mandaqui tomar Dreher e jogar nas maquininhas. Programa de macho.

@ No fim, claro, terminei optando por intelectuaizinhos de merda, galera com a qual convivo até hoje, por força do hábito. Mesmo porque o tal ambiente cultural das lojas de conveniência deu em nada. Daí a migração para um bar onde conheci gente mais velha e interessante. Principalmente interessada em mim, em particular em minhas perninhas firmes e fortes. Naquele ambiente saudável, onde dar não traria comentários maldosos, me esbaldei. Logo, logo, seria atriz.

@ A carreira no teatro durou pouco. O talento, no meu caso, foi sumindo à medida que os anos e os quilos iam pesando. Daí para os bastidores da cultura foi um pulo. Restaram-me os projetos de incentivo à cultura, onde desenvolvia ideias inúteis, como a que propunha levar um grupo de Hip-Hop para uma aldeia de índios. Uma estatal entrou com algum, mas o negócio não foi em frente. Nem o Hip-Hop nem os índios nem eu.

@ Como o trabalho andava mal e deixei de ser mascote dos cinqüentões, sobraram apenas o álcool e outros aditivos. Sem futuro e com um passado bastante avariado, resolvi sair da cidade. “Vou tirar um ano sabático”, avisei - e parti para um tempinho Nos EUA. Igual a todo mundo que viaja sem bolsa e pouco dinheiro, usei a desculpa básica: preciso aprimorar meu inglês. Voltei 15 meses depois, com o mesmo inglês de sempre – quase nenhum – e um alentado currículo como babá, lavadora de pratos e housekeeper. Quase morri de fome.

@ De Boston direto para um quarto e sala no centro e, pior, aos projetos de Minc. Pelo menos deu para comprar um computador de segunda mão e um estoque de Smirnoff. Passei a viver virtualmente, mesmo quando não deu para segurar o ap e me aninhei na casa dos pais, falida. O resto vocês saberão quando saírem minhas memórias, nesta altura quase póstumas.

@_lulafalcao

4 comentários:

Shakenga disse...

kkk Muito bom!

Débora Andrade disse...

Li o livro quase inteiro na tarde de ontem. Não terminei apenas porque tive que passar os olhos nuns materiais da faculdade. Mas sério, além de rir bastante, me deparei com situações do meu próprio cotidiano. Calma, calma, nada de sexo, drogas, álcool... O fato de nos isolarmos do resto do mundo por opção própria, darmos preferência a redes sociais, como seres cibernéticos. E apesar de sabermos disso, continuarmos, e até mesmo gostarmos. Muito bom o teu livro. É uma boa incitação à uma reflexão sobre quem somos dentro e fora do mundo virtual, e claro, o teu jeito de fazer humor é uma delícia.

Beijos mil, Lula.
E sucesso!

Clarissa disse...

Estou querendo comprar seu livro, mas não encontro em livraria nenhuma aqui de Recife!! Como faço para adquirir!?

Lula Falcão disse...

Escreva para livrotododia@gmail.com Receba o livro em casa e pague depois de ler.
abrs

Postar um comentário